quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

20171206 Dezembros dolorosos

Dezembros dolorosos




Artistas são projeções nossas nos palcos diversos.

Em seu agir nos realizam e perfazem coisas por cada um de nós sonhadas.
Nos representam.

Ao partir, se tornam sombras permanentes de nós mesmos, nas lembranças de cada dia.

A antiga canção de um ausente revivesce sua total presença ao redor de nós.

Somos todos imortais. Em que pese corporalmente finitos. Nossa 
imortalidade se configura de duas formas distintas:

1) a vera imortalidade do espírito;

2) nossa imortalização através das obras deixadas, no correr da 
caminhada.


Cada obra nossa. Artista ou não, é um passo, é uma pegada, uma marca.

Resta saber qual direção imprimimos aos nossos passos/obras.


Ah! Johnny!

Tu me manques dejà, mon ami!


Paulo Cesar Fernandes

06/12/2017.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

20171120 Pediatra

Pediatra


João Luis passara um sereno dia em seu consultório. Enquanto pediatra lhe causou surpresa uma segunda-feira tão calma. A ponto de sair mais cedo, ao fim da tarde.

Bate uma ducha já tendo em mente o cardápio para o jantar. Havia de fazer uma surpresa para a esposa.

Já na cozinha espreme um limão e joga um chá gelado por cima, num desses copos de cano alto.

Seu foco era o macarrão ao molho branco com frutos do mar. Antes uma salada de folhas para mais alegrar a esposa. Lava as folhas todas e as passa na bacia com vinagre. E parte para o preparo ágil dos frutos do mar.

_ Quero tudo adiantado, bem encaminhado para a chegada de Alexia. - dizia com seus botões.

Tendo tudo pronto, sentou no sofá da sala, copo de chá em mãos, e solta os pensamentos. Vagava nos sonhos quando a porta abre.

Entra a esposa, trazendo o sorriso de sempre, e uma pasta de processo sob o braço.  

Se espanta de ve-lo assim. De chambre, sorridente e com o copo cheio de gelo no sofá.

_ Eu sempre às voltas com as crianças e você com seus processos todos. - diz ele.

_ Eu escolhi a advocacia. E não reclamo por ter trabalho. - diz ela se reclinando sobre o sofá beijando-o.

_ Mas hoje vamos fazer algo diferente, doutora. Uma noite de paz não lhe atrapalhará a vida. Não é?

_ Vamos pedir pizza então? - diz Alexia com sarcasmo.

_ Não hoje, - responde o marido - Preparei algo simples para nosso jantar. Eu bebo chá gelado. Quer beber algo? Eu gostaria da sua companhia agora. Depois, durante o teu banho finalizo a preparação do jantar.

Alexia se alegra.

_ Pois um chá gelado vai bem. E eu te conto o meu dia. Pelo jeito a casa já tem movimento de longo tempo.

_ Verdade. Nada de consultas nesse fim de tarde e aproveitei para vir para casa. 

Passei na padoca, um café, pães e algum toque de condimento.

Relaxadamente conversa o casal, fazendo brinde com chá mate. Falam ao mesmo tempo e João prefere ouvir a esposa.

_ Solenemente devo lhe dizer da minha gravidez. Dentro de sete ou oito meses chegará nossa filha ou filho.

Ele salta da poltrona alegre, feliz mesmo. Beija-a com carinho.

_ E eu pensava em te presentear com um jantar. Acabo recebendo um presente muito mais valioso que tudo. Me presenteias com uma vida. Como é bom pensar nessa negrinha ou nesse negrinho vindo à Vida. Me abraça forte minha querida, muito forte.

Alexia pede um tempo para seu banho, e o marido segue feliz para a cozinha.

No jantar reinava um clima de serenidade e gratidão mútua.

Após tudo ordenado. Antes de ligar a TV Alexia ganha um ar de preocupação. Frente as questões do marido revela:

_ Como será a vida de uma criança negra num condomínio de brancos?

João Luis segura com doçura a mão da esposa:

_ Será tão boa ou melhor que qualquer outra de nosso condomínio. Eu te garanto. Afinal, de crianças e de pais eu tenho doutorado nestes dez anos de vida pediátrica.

Fez uma pausa. O olhar entristeceu.

_ Já enfrentei muitas ofensas, mas recebi muitos elogios por outra parte. Sou calejado em assuntos de racismo.

_ Que segurança é essa? - pergunta Alexia assustada.

_ Entenda. Tudo de material presente ao nosso redor é fruto de uma luta constante. E eu não me iludo, uma luta ainda não terminada. Mas eu não vou deixar, por nada neste mundo, algo ou alguém tirar a possibilidade de nossa criança ser feliz. Mais feroz será minha luta se o ponto for o racismo. Pode escrever.

Enquanto Alexia lhe sorria João arrematou:

_ Seremos felizes. Seremos uma família feliz. Nosso amor vai superar tudo e todos.

E assim se passou. Tal qual pensado pelo Doutor João Luis Louveira, um médico pediatra.


Paulo Cesar Fernandes.

20/11/2017.

Nota:

Escrito no Dia de Zumbi dos Palmares.

20171121 Cantar

Cantar

"Lend me your ring
And I sing you a song...'

Uma canção não é como parece: algo solto e sem valor.

Nada disso. 
Vale uma canção muito mais que os brinquedinhos de magazines: Ipad; Iphone e o escambau.

Afinal uma canção não nasce de um ou dois dias de trabalho, num escritório qualquer; ou de uma parede levantada.

A canção nasce do acúmulo da vida do artista. 
Somatória de experiências; dores; ilusões; desilusões; nasce do tempo e da maturidade do espírito.

Este nosso tempo endeusa a juventude.
E belo é o tempo juvenil.

Mas um artista, com muitos anos de estrada, pode oferecer muito mais.

Temos figuras na atualidade que se acham. 
Sem a necessária humildade, sem uma reverência a outros profissionais da música de outros tempos.

Assim como o ator se faz no tablado, nos diversos palcos por ele pisados ao longo da vida; um músico se consolida pelas noites de crooner nos bares e boates nem sempre frequentados pela nata da sociedade; e mais, pelas estradas todas por onde andou, para poder cantar, comendo muito pó em cada uma dessas estradas mundo 
afora. Visitando cada cidade, visitando cada região. O verdadeiro artista é sempre itinerante.

Salve a Boa Música!

No sentido de saudação, tão merecida por tantos velhos cantores e músicos em geral.

E no sentido de salvar a música desses músicos de boutique; ou desses ícones dos reality da TV do momento. 

Livrai-nos Senhor de toda essa coisa falsa e sem substância interior.

Meu profundo respeito aos antigos e atuais crooners das noites todas; e ainda aos eternos comedores do pó de estrada. 

A Vida vai recompensar a cada um de vocês.

Assim espero!

Ouça MiNas.

https://www.youtube.com/watch?v=cHnleIUSUPA

Paulo Cesar Fernandes.

21/11/2017.

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

20171115 Literatura Fundamental (TV UNIVESP

Literatura Fundamental   (TV UNIVESP

Apresentador : Ederson Granetto


01 (Ilíada (Homero (André Malta

02 (Odisséia (Homero (André Malta

03 (Crime e Castigo (Fiódor Dostoiévski (Elena Vássina

04 (Hamlet (William Shakespeare (John Milton

05 (Édipo Rei (Sofocles (Adriane Duarte

06 (Esperando Godot (Samuel Beckett (Fábio de Souza Andrade

07 (A Montanha Mágica (Thomas Mann (Jorge de Almeida

08 (O Banquete (Platão (Adriano Ribeiro Machado

09 (Trilogia Os caminhos da liberdade (Jean-Paul Sartre (Franklin Leopoldo e Silva

10 (Ficções (Jorge Luis Borges (Ana Cecília Arias Olmos

11 (Grandes Esperanças (Charles Dickens (Daniel Puglia

12 (Eneida (Virgílio (Paulo Martins

13 (O grande Gatsby (Francis Scott Fitzgerald (Maria Elisa Cevasco

14 (Cem anos de solidão (Gabriel Garcia Marques (Joana Rodrigues

15 (Em busca do tempo perdido (Marcel Proust (Philippe Willemart

16 (Ulysses (James Joyce (Munira Hamud Mutran

17 (A comédia humana (Honore de Balzac (Glória Carneiro do Amaral

18 (Moby-Dick (Herman Melville (Bruno Gambarotto

19 (As cidades invisíveis (Ítalo Calvino (Roberta Barni

20 (Os Sertões (Euclides da Cunha (Leopoldo Bernucci

21 (O Estrangeiro (Albert Camus (Cláudia Amigo Pino

22 (O processo (Franz Kafka (Celeste H. M. Ribeiro de Sousa

23 (Os ensaios (Michel de Montaigne (Sérgio Xavier Gomes de Araújo

24 (Vida e Obras (Arthur Rimbaud (Maurício Salles Vasconcelos

25 (O jardim das cerejeiras (Anton Pavlovitch Tchékhov (Arlete Cavaliere

26 (A terra desolada (Thomas S. Eliot (Viviana Bosi

27 (Decamerão (Giovanni Boccaccio (Doris Cavallari

28 (O coração das trevas (Joseph Conrad (Marcos César de Paula Soares

29 (A República (Platão (Roberto Bolzani

30 (O conde de Monte Cristo (Alexandre Dumas (Maria Lúcia Dias Mendes

31 (Vida e Obras (Stephane Mallarmè (Rosie Mehoudar

32 (1984 (George Orwell (Mayumi Ilari

33 (Os Lusíadas (Luís Vaz de Camões (Alcir Pécora

34 (Os moedeiros falsos (André Gide (Regina Salgado Campos

35 (Metamorfoses (Ovídio (Alexandre Hasegawa

36 (A morte em Veneza (Thomas Mann (Cláudia Dornbusch

37 (Seis personagens à procura de um autor (Luigi Prandello (Maurício Santana Dias

38 (O lobo da estepe (Hermann Hesse (Helmut Galle

39 (Memórias do cárcere (Graciliano Ramos (Fabiana Carelli

40 (A Vida de Galileu (Bertolt Brecht (Tércio Redondo

41 (Oliver Twist (Charles Dickens (Ricardo Lísias

42 (Grande Sertão: Veredas (João Guimarães Rosa (Willi Bolle

43 (Mrs. Dalloway (Virginia Woolf (Noemi Jaffe

44 (A Morte de Virgílio (Hermann Broch (Daniel Bonomo

45 (Robinson Crusoé (Daniel Defoe (Sandra Vasconcellos

46 (Tartufo (Molière ou Jean-Baptiste Poquelin (Leila de Aguiar Costa

47 (O Rinoceronte (Eugène Ionesco (Viviane da Costa Pereira

48 (Histórias Extraordinárias (Edgar Allan Poe (Renata Philippov

49 (Otelo, O Mouro de Veneza (William Shakespeare (José Garcez Ghirardi

50 (Mensagem (Fernando Pessoa (Paola Poma

51 (O Vermelho e o Negro (Stendhal ou Henry-Marie Beyle (Isabellla Santucci

52 (O Leopardo (Giuseppe Tomasi, príncipe de Lampedusa (Maria Betânia Amoroso

53 (A Ilustre casa de Ramirez (Eça de Queiroz (Helder Garmes

54 (A Língua Absolvida (Elias Canetti (Markus Lasch

55 (O Som e a Fúria (William Faulkner (Munira Hamud Mutran

56 Um Bonde Chamado Desejo (Tenessee Williams (Maria Silvia Betti

57 (As Irmãs Makioka (Jun'ichiro Tanizaki (Neide Hissae Nagae

58 (Memorial do Convento (José Saramago (José Horácio Costa

59 (O deserto dos Tártaros (Dino Buzzati (Aurora Bernardini

60 (Pedro Páramo (Juan Rulfo (Laura Hossiasson (Realismo Mágico ou realismo Fantástico

61 (O Complexo de Portnoy (Philip Roth (Adriano Schwartz

62 (Luiz Gama (Luiz Gonzaga Pinto da Gama (Ligia Fonseca Ferreira

63 (A Hora da Estrela (Clarice Lispector (Marília Librandi

64 (Os Miseráveis (Victor Hugo (Maria Lúcia Dias Mendes

65 (Cantos de Maldoror (Isidore Ducasse (Joaquim Brasil Fontes Júnior

66 (O Burlador de Sevilha (Tirso de Molina (Maria Augusta da Costa

67 (Lolita (Vladimir Nobokov (Aurora Fornoni Bernardini

68 (Contraponto (Aldous Huxley (Jorge de Almeida

69 (A Consciência de Zeno (Italo Svevo (Roberta Barni

70 (Medéia (Eurípides (Adriane da Silva Duarte

71 (Teogonia (Hesíodo (JAA Torrano

72 (A Náusea (Jean-Paul Sartre (Franklin Leopoldo e Silva

73 (Noite de Reis (William Shakespeare (John Milton

74 (Orgulho e Preconceito (Jane Austen (Mariana Teixeira Marques

75 (O jogo da amarelinha ou Rayuela I (Julio Cortázar (Davi Arrigucci Jr.

76 (O jogo da amarelinha ou Rayuela II (Julio Cortázar (Davi Arrigucci Jr.

77 (O Retrato de Dorian Gray (Oscar Wilde (Fabio Durão

78 (Pais e filhos (Ivan Turguêniev (Elena Nicolaevna Vássina

79 (Longa Jornada Noite Adentro (Eugene O'Neill (Maria Silvia Betti

80 (Alice no pais ds maravilhas (Lewis Carroll (Sandra Vasconcelos

81 (Adeus às Armas (Ernest Hemingway (Daniel Puglia

82 (Os Cantos (Ezra Pound (Dirceu Villa

83 (As Aventuras de Huckleberry Finn (Mark Twain ou Samuel Langhorne Clemens (Alzira Allegro

84 (Desonra (John M. Coetzee (André Correia

85 (Contos (Hans Christian Andersen (Karin Volobuef

86 (O Náufrago (Thomas Bernhard (Helmut Galle

87 (Na Estrada (Jack Kerouac (Bruno Gambarotto

88 (O Mahabharata (Livro fundamental do hinduísmo (João Carlos Barbosa Gonçalves

89 (Finnegans Wake (James Joyce (Dirceu Villa

90 (Guerra e Paz (Leon Tolstoi (Aurora Bernardini

91 (As Viagens de Gulliver (Jonathan Swift (Mariana Teixeira Marques

92 (Folhas de relva (Walt Whitman (Maria Clara Bonetti Paro

93 (Contos Maravilhosos (Jacob e Wilhelm Grimm (Karin Volobuef

94 (A Vida e as Opiniões do Cavalheiro Tristram Shandi (Laurence Sterne  (Sandra Vasconcelos

95 (O Apanhador no Campo de Centeio (Jerome David Sallinger (Maria Elisa Cevasco

96 (Canções da Inocência e Canções da Experiência (William Blake (José Garcez

97 (O Paraíso Perdido (John Milton (Prof. John Milton

98 (O homem sem qualidades (Robert Musil (Érica Gonçalves de Castro

99 (Fausto (Johann Goethe (Eloá Heise

100 (Madame Bovary (Gustave Flaubert (Verônica Galindez Jorge

101 (Don Quixote de la Mancha (Miguel de Cervantes (Maria Augusta da Costa Vieira

102 (Livro das Mil e Uma Noites (Literatura árabe (Mamede Moustafá Jarouche

=== >>>  Programas soltos

A1 (Divina Comédia (Dante Alighieri (Pedro Heise

A2 Vidas Secas (Graciliano Ramos (Zenir Campos Reis

A3 As Flores do Mal (Charles Baudelaire (Álvaro Faleiro

domingo, 29 de outubro de 2017

20171029 Cidades

Cidades

1)
Meio de tarde. Centro da Cidade de São Paulo. Eu com tarefa finda. Cansado. Jovem de todo. 
Faz tanto tempo... era moda uma "Mala 007", quadrada, companheira fiel. E se é moda é moda.
O corpo pedindo para sentar em algum lugar. 
Por "obra e graça do divino" aparece um bar com algumas mesas na calçada.
Um chopp. E me dei ao luxo de observar as pessoas. 
Os passantes um a um. Eu, a calma em pessoa.

Hoje eu digo: São Paulo é um mundo, composto de milhões de mundos inteiramente diversos.
Naquela tarde descobri isso. 
Cada pessoa ao passar tinha seu itinerário mental diferente.
Em geral o semblante era sério. Cerrado. Alguns falando sós pela rua. 
E nem se pensava em celular naqueles idos anos.
Foram algumas horas de admiração de um povo. 
Tempo suficiente para amar esse povo e essa Cidade de tantas vertentes, tantas possibilidades.
Como consegue essa multidão de desconhecidos viver em tamanha harmonia?
É uma cidade verdadeiramente intrigante.
Desse dia em diante a Cidade de São Paulo passou a ser a Minha Amante.
E não há amante, se não for verdadeiramente amada. 
Te amo Sampa!


2)
Fim de tarde na Casa Suíça.
O ponto mais alto de Cuiabá.
Minha companheira e eu em harmonia. 
Um momento de silêncio.
O horizonte vermelho da cidade. 
A cidade aberta em leque se dando ao nosso olhar.

Aconteceu algo: eu me emocionei.

Distante da minha Terra Natal. 
Mas tão carinhosamente acolhido pelos cuiabanos.
Uma casa comprada num bairro simples.
Um jardim feito por minhas mãos. 
Uma horta perfeita, feita por mim com ajuda de um amigo/irmão técnico agrícola.
Uma cadela, Laika; a mais simpática de toda Cuiabá.
Uma rede para ler os Jornais da Prelazia.
Prelazia de São Felix do Araguaia, de Pedro.
Tudo isso varreu minha cabeça, entre um assunto e outro, da fala da companheira.
A beleza da cidade sob meu olhar, me trouxe um sentimento de gratidão.
Benditos sejam os momentos como esse: quando olhamos para o alto louvando a Vida.


3)
Eu só via o forro branco, e as portas pintadas de claro azul.
Casa de Saúde Alglo Americana.
Cidade de Santos. Gonzaga. Esquina do Canal 3 com a Tolentino Filgueiras.
Um hospital todo branco.
Um hiato de esquecimento.
Uma padaria na Vila Bela em Sampa; eu sentado no chão brincando com tampinhas de garrafas.
Uma mão pequena e meio gorda com os dedos pela fresta do estrado da padaria na tentativa de pegar outras tampinhas.
Alguém me ergue, vejo o mundo do alto. 
A casa cheia.
Outro hiato. 
Eu numa mercearia na esquina da Alexandre Herculano com a Assis Correa.
Sentado no degrau da mercearia e tendo a familia na parte de cima e dentro do balcão.
Lembro do nome do rapaz das entregas: Edmundo.
Uma noite de dor de ouvido; minha mãe ao meu lado e o som do trem passando.
Dona Conceição me olhava e nada podia fazer diante de minha dor. Sofríamos juntos.
O cheiro da Dama da Noite quando a familia se deslocava para ver televisão na casa dos primos.

Outra casa na Manoel Vitorino, casa de tres andares. No andar do meio eu aprendi a ver as horas, ali ficava o rádio, a minha maior sensação.
Uma pitangueira no quintal, algumas hortaliças e as pedras do fogo para fazer sabão.
Um gramado para branquear as roupas.

Uma nova casa na Pasteur 68. 
O dono, Seu Aires, era uma pessoa boníssima, dono de um hotel na orla da praia de Santos.
Lembro de ir junto para pagar o aluguel.

Um primo constrói bem em frente, no número 67 duas casas sobrepostas.
Construiu para as tias da esposa estar mais perto dela.
E lá fui eu para a Pasteur 67 onde vivi por 25 anos.
Anos de crescimento em todos os aspectos da vida.
Anos de convivência.
De amizades perenes.
Anos de músicas e de muito Rock.
Taco. Futebol. Pião. Fubeca (bolinha de gude).
E histórias, muitas histórias.

Estagiário nas Organizações RUF, de capital alemão.
Hotel Paris no Centro de São Paulo, perto do Mappin.

Era 20 de dezembro. 
Gente alegre, em tempo de compras, e eu ali. Só.

Amei Santos como nunca em minha vida. A mãe, a família.
Nossa, como tudo isso é importante.

Dia seguinte fui pro trabalho com a mala. 
Acabou o jogo de ficar longe.
No sábado. O reencontro com a Praça da Independência.
Com o meu Café Floresta. Com o meu espaço.
Dividi essa alegria com meu irmão, com quem sempre estava junto aos sábados.
Disse a ele ser como se tivesse nascido de novo.
Santos. Minha pequena pérola entre o mar e os morros, uma vez mais te digo: Eu te amo.

De lá para cá muitas coisas importantes ocorreram.


Mas o mais importante é ter claro: São 3 as cidades do meu coração.
Cada uma delas tendo seu valor e seu calor.
Cada uma me presenteando de alguma forma.

Só posso agradecer a todos aqueles componentes de minha jornada.
Todos os Seres de ambos os lados da Vida Maior.

Paulo Cesar Fernandes.

29/10/2017.

terça-feira, 24 de outubro de 2017

19810123 Sitio do Mato

Sitio do Mato


Pela manhã, parada na cidade, para barco fazer troca de chatas de carga.

E isso tomou bom tempo.


===


Barranca de rio
Pobreza em pencas
Alegria de jovens
Contato com Natureza
Visão ampla em céu azul
Horizonte verde de água e paz


É o Rio São Francisco
Em correr tranquilo
Em varrer barrancas
O Rio nosso amigo


Rio manso Rio
Remanso já se foi
Talvez outros foram junto
Ao fazer da Represa
Benefício a todo mundo?


Barranca do Velho Chico
Largo Rio sem ponte quase
Mulherio lava roupa
E meninas se iniciam "Na Arte"
Nessa Arte tão antiga
Na vida de tantas mulheres
Com mais ou menos maestria
Integrada a seu dia a dia.





Paulo Cesar Fernandes.

23/01/1981.

19810116 Ouro Preto

Ouro Preto


Incrustada entre montanhas em ladeiras
Encontramos anseio libertário
Cada pedaço de chão ou uma pedra
Dizendo uma nova libertação


Ação conjunta nas tabernas escuras
Resultou Independência
Quem sabe o tempo
Nossa vontade
O fim do medo
Nos remeta a Nova Conjuração


Que não se prenda 
Nem se limite
Se agigante a cada instante
Na fúria louca dos sedentos
De Justiça tão distantes


Em tempos idos como hoje
Necessidade não saciada
LIBERDADE a tão sonhada
Tantas vezes ultrajada


Olho o mundo vejo conquistas
Quem sabe agora
O Brasil Acorda
Tendendo ao futuro
Uma Nova Vista!


Paulo Cesar Fernandes.

16/01/1981